E finalmente chegamos ao último episódio de Kuzu no Honkai, essa obra que alegrou (sadismo mod: on) as minhas quintas-feiras e ensinou a como não agir em relacionamentos.

Minhas perspectivas para esse final não eram das melhores, a coisa se encaminhava para algo feliz, pra cima, coisa que seria completamente broxante para uma obra que se destacou justamente por sua pegada triste e depressiva. Mas felizmente o final foi digno, terminou de uma forma condizente com seu clima natural e fechou a obra

O grande foco do episódio foi a Hanabi, o dia-a-dia depois de todos terem os problemas passado. Dava pra sentir aquele clima nublado após uma tempestade permeando o episódio.

Além disso o episódio mostrou também  o casamento da professora, que pra minha surpresa teve um foco menor do que eu pensei que teria, o maior destaque aqui fica por parte da Akane dizendo pra Hanabi não deixar escapar na próxima. Foi bem engraçado ver essa cena e acho que ela ilustra bem a situação toda, a Akane leva toda a questão romântica como uma competição e essa fala deixa isso claro, além do tom mais amigável nisso, o jeito com que a Akane falou me pareceu com alguém que achou uma rival em potencial e quer disputar novamente.

A Moka também teve uma breve participação, apesar do exagero da cena não ser do meu gosto. Me pareceu uma tentativa forçada de dizer “estou sozinha, livre e divando agora”, nada contra, acho bom ver que ela superou a situação, mas como disse, achei meio forçado.

A Ecchan também deu as caras, com um cabelo curto 10/10 diga-se de passagem. As duas terminaram tudo como amigas, mas isso ainda me desce meio torto, não e realista você ter uma relação como as duas tiveram, onde uma delas rejeita a outra e tudo continua como sempre, isso é algo que me incomodou bastante.

E por fim o destaque, o grande final que me surpreendeu positivamente. Mugi e Hanabi se encontrando e colocando um ponto final nessa relação tortuosa. A reflexão feita sobre o relacionamento durante todo o episódio engrandece ainda mais esse final. Os dois de início nunca tiveram uma relação com sentimentos reais inclusos, a base do relacionamento é apenas satisfação sexual, eles estavam juntos desde o começo pra se satisfazerem e tentar esquecer o amor não correspondido, superada a questão do amor, não resta nada mais que segure a relação dos dois,  então nada mais óbvio que ela acabe. Os dois não quererem acabar com a relação, mas precisarem acaba-lá deu um complemento emocional ótimo a cena final, isso tudo tendo como fundo a ending ótima feita pela Sayuri, e assim acaba Kuzu no Honkai.

Nota do episódio: 3,75/5*

Review Final

Kuzu no Honkai é um anime que tem uma proposta diferente do que vemos normalmente em animes de romance. Sua proposta de ter pessoas juntadas apenas para suprir seus desejos e esquecer de seus amores é interessante. Porém a facilidade com que dá para se perder nisso é alta, principalmente no que diz respeito a desenvolvimento de personagem.

Kuzu se sai bem no começo, consegue trabalhar bem o psicológico dos personagens, consegue fazer eles soarem orgânicos e consegue fazer você entender a situação deles, o que serve de substituto nesse caso para o simpatizar com personagens que é algo de bastante importância para mim, mas a partir da reta final (4 últimos episódios) a coisa começa a deslizar.

Primeiro a Moka, que é uma peça completamente dispensável, ela tem um desenvolvimento mínimo, ela está ali apenas por estar, uma personagem completamente esquecível e apagada na obra, coisa que não pode acontecer.

O que dizer então do Kanai? Se a Moka está aqui por nada, então ele só está aqui pra dar um final feliz à Akane. Ele tem literalmente, nenhum desenvolvimento, a ingenuidade e inocência dele chega a ser irritante, é incrível. Parece que pegaram um personagem de shoujo, aumentaram os aspectos irritantes da personalidade e largaram aqui. Seria um personagem completamente esquecido se não fosse ele casar com uma das pivôs da história.

Os outros personagens tem um desenvolvimento aceitável ao menos, a Hanabi é a que tem o mais bem feito eu diria, a professora teve um desenvolvimento bom também, porém a finalização dele não foi tão bom quanto o da Hanabi.

As relações do anime também sofrem do mal que me referi mais atrás, começam bem trabalhadas, porém decaem na reta final, começando com a relação entre a Hanabi e a Ecchan, que acaba tendo uma finalização bastante irreal, como eu já disse, não é realista você ter uma relação de amizade, acabar adquirindo interesse romântico, se declarar, ser rejeitado e continuar a amizade normalmente, você normalmente corta os laços, seja pelo clima pesado que ficaria quando fosse falar com a pessoa ou por querer esquecer e tentar seguir a vida. Ver as duas continuando a amizade da mesma forma não desce direito.

A relação entre a Akane e o Kanai é até que bem realista, já que alguém como ela está acostumada com sentimentos de desejo, ciumes, possessividade, etc, quando vê alguém com sentimentos de natureza mais altruísta fica no mínimo intrigada, o que gera certo interesse e por ai vai. O desfecho do casamento no entanto não me agrada, ela não parece ter se apaixonado e muito menos mudado, não é assim que a coisa funciona, não se muda de uma hora pra outra, mas enfim, outra relação com um final meh.

A relação que teve um final digno foi a do Mugi e da Hanabi, ela teve inúmeras adversidades, teve vários desencontros, chegou a ficar encostada durante um tempo, mas no fim terminou bem no sentido de desenvolvimento. A mensagem final passada é realista e muito boa também, a vida continua e apesar do seu sofrimento, você tem que continuar, uma mensagem motivacional com um tom triste e sincero, com certeza deu um bom fechamento a coisa toda.

Indo para os quesitos técnicos agora, Kuzu tem uma direção ótima, a mão para cenas dramáticas é absurda, ela usou bem da trilha sonora, tão boa quanto, em várias cenas. A cena da primeira relação entre a Hanabi e a Ecchan por exemplo, tem uma trilha mais incômoda e você se sente mal com a cena, a direção consegue passar o sentimento necessário nas cenas.

A animação é outra escolha acertada, a staff não era das melhores, então focaram em manter um design mais bem acabado e conseguem usar ângulos bons pra disfarçar a falta de fluidez também. Pra mim que prefere algo mais bem acabado do que fluido foi bom.

Adoro essas artes, a staff caprichou nelas

Por fim, Kuzu é um anime bom apesar de tudo, pecou muito na sua reta final e acabou não sendo o que tinha potencial para ser, mas continua sendo recomendável por ser a obra mais diferente em termos de romance que se encontra atualmente, aquele anime que é bom para usar como referência em alguma conversa, etc. E para quem gostou de Kuzu e quer algo parecido Umibe no Onnanoko, é uma opção. Pelo que li é mais bem desenvolvido do que Kuzu e é do Asano, não é preciso mais motivos que esses.

Direção: 9/10
Roteiro: 7/10
Trilha sonora: 8/10
Animação: 7/10
Entretenimento: 7,5/10

Nota final: 7,5/10*

*Critério de notas -> Aqui

Autor: @Shiro9029

Extras:

comentarios

Curta nossa página no Facebook : Nome Temporário

Siga nosso Twitter : @NomeTemporario2

Anúncios